segunda-feira, 9 de julho de 2007

aqui dentro


Não têm sabor estas palavras, pois nem sequer são de pensamento.
São de lamúria, de queixa e de tisteza.
São de mim, mas sem o meu odor.
Sem o brilho das ideias que pinto na tela cerebral.
São, assim, um discorrer menos fiel, mais fácil até, do meu descontentamento.
Por isso as abandono aqui. Sem dizer adeus e sem olhar.
A vida é lá fora. É na brisa do vento. Na gota da chuva. Na página de um livro.
No verso daquela nossa música.
Não aqui no descontentamento de um coração que dorme embalado por ideias vazias e acorda com a melodia das palavras fáceis.

2 comentários:

deux-ponts disse...

Qual e' a ma'scara desta personagem!? onde esta' o "poder" de denunciar o que de mal vai...? ha' lamu'ria de palavras fa'ceis?

Daniela disse...

É só uma máscara. Mais uma.